VIDA SIMPLES: FOGÃO A LENHA



Quem nasceu no Nordeste do Brasil e/ou morava na cidade quando criança, tem em suas memórias de infância e adolescência, em férias ou no dia a dia, de comer nas varandas das casas, com o cheiro da comida feita em um fogão a lenha ou fogão campeiro.

Algumas casas utilizavam esse tipo de fogão simplesmente por não ter de outro tipo. 
Além disso, a lenha era o principal recurso de produção de energia, entre as famílias mais humildes. 

Atualmente é um sonho de consumo de muitas pessoas, seja pela moda do rústico ou pela conexão com a natureza e com costumes primitivos.
No princípio, os fogões à lenha eram feitos de improvisos: usavam-se buracos no chão, com pedras, em seguida barro. Depois, a construção passou a ser de alvenaria, com tijolos e pedras nobres. 
Hoje, continuam assim, mas há possibilidade de ter modelos móveis, feitos de ferro e também de tijolos refratários.

Outros tipos de fogão:

A gás: práticos, higiênicos e ocupam menos espaços, porém dependem do gás metano que não é renovável e tem um custo muito alto, principalmente se a família for numerosa. 
Também há o fato de acontecerem vazamentos e cheiro.

Elétrico: funciona com eletricidade e por impulso eletromagnético, tem vantagens para um uso ocasional, já que não esquenta e não há risco de queimaduras, ocupa pouco espaço, mas o custo de energia é muito grande e seu preço é alto.

Solar: o mais limpo e econômico de todos. Feito de sucata de resíduos sólidos. Cozinha por meio dos raios solares. Porém, só pode realizar seus cozimentos em dias ensolarados e durante o dia. Períodos de chuvas são totalmente inviáveis para o uso do fogão solar. 


Fogão a Lenha:

Vantagens

No geral, os fogões a lenha conseguem ter muito mais vantagens do que desvantagens. 

O ato de cozinhar é agradável, socializa, reúne a família e amigos e ao redor, sua versatilidade também conta, pois podem ser: forno de pão, tortas e pizzas, servir de churrasqueira e chapa.

No que diz respeito ao sabor, a comida fica muito mais gostosa e é inigualável. Juntar o típico modelo da fazenda ao estilo moderno da cidade grande.


Ótimos aquecedores de ambientes, para quem mora em locais mais frios ou onde faz frio no inverno.
Construção de formas mais ecológicas. Como é o nosso na Casa Ambiental & Museu Semente das Artes em Capistrano. Com sobras de construção. 
O “Ecofogão”, economiza lenha, que é obtida de podas e de árvores caídas. Mais fáceis de manter, pouca fumaça e não fazem tanta sujeira.
Produzem cinzas para adubo, banheiro seco e composto de pesticida natural.

Desvantagens

Causam fumaça e queimam lenha, poluindo o ar.
Dão um pouco mais de trabalho para manter e limpar.
Por ser de alvenaria, ocupam mais espaço, ainda existem os materiais necessários para fazer o fogo e apetrechos.
A lenha, para quem mora na cidade é mais cara e incentiva o desmatamento, mesmo com outras opções como os briquetes feitos de biomassa com sobras de podas. No interior, é bem mais fácil.
Acender é, às vezes, complicado para quem não tem costume.

COMO FAZER:

Veja o lugar mais adequado para a construção. De preferência na varanda de casa, se houver uma.

Faça as medidas do lugar: altura, largura e distância da chaminé. Meça também o tamanho do forno, caso queira um.

Separe o material. Utilizamos em nossa construção quase todo material vindo de sobras de obra ou de entulhos retirados de paredes que fizemos portas e janelas; ferro, tijolos e pisos.



Comece a fazer a base no chão com os tijolos. Os nossos foram retirados das paredes que se tornaram portas e janelas.

Monte a grade com o ferro retirado do entulho de obra. 
Faça um gradeamento com madeira para a forma da base do fogão. 
Depois da base pronta, monte em cima dos pés de tijolos e monte a parte da base da chapa e também as paredes do forno.

Coloque a outra base de grade e cimento em cima do forno. 
Fizemos com ferro de sobras, brita e cimento, com sacos de papel de cimento pra não colar no chão, e colocamos ripas de madeira nas laterais para dar a forma.

A base do forno também é a passagem de fumaça para a chaminé. 
Faça a chaminé com um cano de ferro ou barro ou com tijolos, como foi o nosso. 

Direcione para fora da casa e com a saída em direção do vento.
Pronto.
Leve ao fogo tudo de mais gostoso que queira se deliciar.

Todos os exemplos que mostramos são realizados e testados na CASA AMBIENTAL & MUSEU SEMENTE DAS ARTES, na comunidade de Carqueja dos Alves no município de Capistrano, no Maciço de Baturité ou em outras ações e projetos realizados fora de nossa sede.

Jofran Fonteles Borges – Casa Ambiental & Museu Semente das Artes


 SONHANDO JUNTOS UM IDEAL DE MUNDO
Presidente Jofran Fonteles Borges - CNPJ 10.536.515/0001-64
 (85) - 999543352 Tim -  987194478 Oi - 981325072 Vivo  (Whatsapp)
Site: http://www.sementedasartes.com.br/
 Fanpage: https://www.facebook.com/SementedasArtes/
Canal no YouTube: https://www.youtube.com/user/sementedasartes/videos




Comentários

Mais vistas

FAVELA DO PAU FINIM - VISITA DE RECONHECIMENTO

VIDA SIMPLES: BANHEIRO SECO

BANDAS DO SÁBADO

NOTÍCIAS DE OUTUBRO 2020

ROCK PÉ DE SERRA - FESTIVAL MULTICULTURAL NO CARNAVAL